"A Educação é a base de tudo, e a Cultura é a base da Educação"

Seja Bem-Vindo e faça uma boa pesquisa!

sábado, 8 de março de 2008

- Dalmo Bozzano :Árbitro ou Arbitrário


- Dalmo Bozzano, considerado por muitos como o maior árbitro de Santa Catarina, tendo inclusive chegado a FIFA. Uma carreira profissional de 26 anos (1972-1998) e mais de 1600 por toda Santa Catarina, Brasil, América do Sul, Estados Unidos e Europa, sem nunca ter seu nome associado à preguiça, incompetência, ou corrupção.
- Eu lembro do Dalmo desde nossa infância, quando ele morava no Bairro Progresso, morro do Sestrem e eu na Rua da Glória. Em certas partidas “as famosas peladas”, Dalmo até por não ter sido um grande jogador, às vezes apitava os jogos. Foi um árbitro pôlemico, para alguns e egocêntrico para outros, mas a verdade é que Dalmo fez história. Apitou quase todas as decisões do futebol catarinense enquanto árbitro. Uma de suas frases famosas “não ganho horas extras” referindo-se ao não acrescentar descontos após os 90 minutos regulamentares.
- Dalmo Bozzano Nasceu em Blumenau na véspera de Natal 24 de dezembro de 1952.
Adalberto /Dalmo Bozzano/Álvaro Luiz dos Santos - Dalmo Bozzano esteve em minha residência, e me trouxe um livro autografado, conversamos durante mais de 3 horas, sobre sua trajetória como Árbitro e suas andanças pelo mundo.
Saiba mais, Dalmo publicou um livro contando sua carreira em 2007, intitulada “DALMO BOZZANO - Árbitro ou Arbitrário – Editora Tribo da Ilha. .. O livro foi dedicado a sua mãe (Hilda) que mesmo xingada em todos os jogos, nunca economizou velas e orações para que ele tivesse boas arbitragens.
Arquivo: Adalberto Day

11 comentários:

Edemar Annuseck disse...

Ótimo o reconhecimento e a divulgação que está dando a Dalmo Bozzano. O resgate dos personagens que fizeram ou fazem a história é peça fundamental para que ela seja preservada.
Parabéns Adalberto, sua sabedoria e conhecimento prestam um serviço inestimável a todos nós blumenauenses.

Edemar Annuseck

Antônio Santos disse...

Betão – O Dalmo Bozzano foi um grande Juiz de futebol sem duvida alguma, ele é um orgulho pra nós blumenauenses, agora seu filho Giuliano continua a carreira do pai, e vai muito bem. O Dalmo não tinha medo de cara feia, enfrentava todo mundo até no maracanã, ou em qualquer lugar do mundo.

Anônimo disse...

Prezado amigo,

Copiei sua matéria sobre o Dalmo Bozzano para o meu Blog. O livro dele está sendo vendido aqui na região Sudeste?

Carlos Ferreira
Juiz de Fora-MG
http://carlosferreirajf.blogspot.com/

Anônimo disse...

Inquestionável a sua conduta moral e ética com árbitro de futebol sem nunca ter vinculado seu nome aos arranjos e maracutaias de bastidores que todos sabem existir no futebol.

Acho apenas que a FCF errava colocando-o em situação difícil quando tinha que apitar jogos do Palmeiras e mais tarde do Bec pelo fato de ser Blumenauense. É sempre uma situação delicada para o juiz. Se dá um pênalty para o time da casa é porque é da casa. Se não marca e foram raros os que ele marcou, é para mostrar imparcialidade.

Sem sobra de dúvidas, a maior estrela da arbitragem catarinense de todos os tempos.

Adilson Siegel
Ticanca

Anônimo disse...

o dalmo bozzano foi o melhor arbitro que sc ja teve e chegar aonde ele chegou,vamos aguardar e torcer para que alguen da a rbitragen catarinense chegue ernesto d.werner werninha

Anônimo disse...

Aqui em Curitiba não temos boas lembranças deste arbitro, em especial a torcida do Atlético Paranaense.

Anônimo disse...

Pergunte a um Botafoguense que foi Dalmo Bozzano. Ele apitou São Paulo e Botafogo

Adalberto disse...

Você está enganado
Conheço o Dalmo desde garoto, e ele é flamenguista roxo.
Vc deveria deixar seu e-mail - eu peço isso.
Adalberto Day

valmir disse...

fabricante de resultados a quem interessar pudesse,seguia ordens e interpretacoes proprias,infringindo as regras e insultando a inteligencia dos torcedores e o bom senso muitas vezes,deixou saudades aos amigos e puxa sacos,aos amantes do futebol foi ao lado do jose roberto wright uma figura que pro bem do futebol nao deveriam ter existido

Russo disse...

Carlos Jorge Hiebert Russo Eu e o Dalmo tivemos uma convivência muito legal, principalmente no tempo de solteiro, desta época temos muitos causos para contar.Era comum ele me convidar para ir junto quando ia apitar uma partida e isso ocorria pelo estado todo como fora daqui também, certa feita fomos a Porto Alegre onde ele apitaria um jogo do Inter na era falcão e quando o nosso avião estava se preparando para o pouso fomos surpreendidos por uma tempestade que jogava o avião para todos lados, mas passado o susto fomos ao estadio e la não teve zebra.Em outra oportunidade ele me convidou para ir a Chapecó onde a equipe receberia o Carlos Renaux pelo campeonato catarinense e quem treinava o time do oeste era o Edegar Ferreira que solicitou ao Dalmo que levasse o seu carro que estava em Blumenau e la fomos nós dois com o carro do treinador, em virtude disto o Dalmo ficou sabendo que o jogo não seria em Chapecó e sim na cidade vizinha de Coronel Freitas para onde nos dirigimos, só que por alguma falha de comunicação os bandeirinhas não ficaram sabendo desta mudança e não foram para o novo local do jogo, o Dalmo fazendo uso de sua autoridade como arbitro, me escalou para bandeirar, sem eu nunca ter botado um pé dentro da federação, ao final recebi a taxa que os bandeirinhas tem direito e voltamos de carona no ônibus do time Brusquense jogando caxeta.
Carlos Jorge Hiebert

Nillton Sergio Zuqui disse...

Meu caro Adalberto,
Tive a oportunidade de assistir alguns jogos por ele comandado, não lembro de nem um deles onde ele não tivesse sido comentado, seja para o lado do bem ou lado do arbitrário conforme descrito no texto. Concordo com o amigo Ticanca, quando ele comenta que por vezes ele era escalado para jogos do time de Blumenau,e isso não era bom. Todavia a de se concordar que no mínimo ele procurou ser o mais correto possível. Parabéns pelo texto.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...